Como funciona a Urna Eletrônica

A urna eletrônica é o sistema usado para registrar e contabilizar os votos nas eleições brasileiras. Foi introduzida pela primeira vez no processo eleitoral de 1996.

O sistema eletrônico de votação é constituído pelo software (parte virtual, programas) e hardware (parte física, a urna eletrônica). A urna eletrônica possui dois terminais: o do mesário e o do eleitor. No terminal da mesa receptora, o mesário digita no teclado o número do título do eleitor para verificar se ele está apto a votar. O terminal do eleitor é usado para registrar numericamente o seu voto.

Existem tecnologias de criptografia que têm o propósito de impedir fraudes no sistema. São geradas assinaturas digitais para proteger os dados de candidatos, e os resultados obtidos.

Outro característica a favor da proteção dos dados consiste no fato da urna estar apenas ligada à energia elétrica, não tendo capacidade de se conectar à internet ou a outros computadores. O seu sistema operacional (Linux) é disponibilizado e testado previamente por elementos de partidos políticos, do Ministério Público e da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) para que sejam encontrados eventuais erros (bugs).

Apesar de existirem suspeitas de fraude no sistema eletrônico de votação, até hoje, nenhum caso foi comprovado nas investigações que foram feitas. O Tribunal Eleitoral Superior organiza testes públicos de segurança para que o software seja testado e o processo eleitoral seja cada vez mais seguro e confiável.

Descubra mais sobre como o sigilo do voto é garantido.

Registro Digital do Voto

O RDV (Registro Digital do Voto) é o registro da urna onde os votos são arquivados. O RDV registra exatamente o que o eleitor digitou na urna: o candidato, legenda, votos nulos e votos brancos. Para manter o sigilo do voto, não é possível vincular um eleitor ao seu voto, porque cada voto é gravado aleatoriamente e não pela ordem em que é lançado.

A hora em que um eleitor lança o seu voto e o tempo que demora a votar são armazenados para fins estatísticos, para determinar o tempo médio de votação e quantos eleitores existem em cada seção.

Veja também

Página publicada em 7 de Janeiro de 2016. | Última atualização em 4 de Agosto de 2016 às 18:08.